A Chancelaria, oficialmente Chancelaria do Império (em alemão: Reichskanzlei), é o órgão superior da administração civil do Reich Alemão e, simultaneamente, o gabinete executivo do Chanceler Imperial (em alemão: Reichskanzler). As suas competências são, portanto, bipartidas: por um lado, é perante a Chancelaria que respondem todos os funcionários públicos ao serviço do Governo federal; por outro, a Chancelaria tem por missão auxiliar e secretariar o Chanceler na execução do seu mandato constitucional de prover a execução das Leis.

Para além destas funções, que advêm da delegação de funções por parte do Chanceler, a Chancelaria Imperial é, usualmente, considerada como o elemento-chave do ordenamento político federal, dado que, constitucionalmente, o Chanceler deve reunir a confiança da Dieta Imperial e do Imperador. Significa isto que é o Chanceler – e, através dele, a Chancelaria – o responsável por conciliar as demandas dos Estados Federais, representados pelos Deputados da Dieta Imperial, com as instruções políticas do Monarca Alemão. Assim, também é da competência da Chancelaria e seus funcionários garantir que o Chanceler reúne todas as condições necessárias para governar, estando em permanente contacto e articulação com os Deputados Imperiais e com o Gabinete do Imperador. Mais ainda, quando ocorre a perda de mandato de um Chanceler, é a Chancelaria que garante a continuidade institucional e permite a transição democrática e sem dificuldades do poder para um novo Chanceler.

Notavelmente, e de forma contrária ao que sucede noutras micronações, a Chancelaria Imperial é um órgão essencialmente administrativo e civil, não sendo constitucionalmente mandatada. Com efeito, a Constituição Imperial concentra o poder executivo nas mãos dum único oficial, o Chanceler. A Chancelaria nasceu, então, do uso e do costume, referindo-se primordialmente ao conjunto dos assessores empregados pelo Chanceler (que integram, hoje, o Gabinete do Chanceler). Hoje, apesar de não estar dotada de uma lei que reja o seu funcionamento, está consagrada enquanto órgão da administração federal e apresenta uma orgânica bastante complexa. De notar que fora das competências do Chanceler e da Chancelaria estão os assuntos militares do Império e os negócios diplomáticos, que a Constituição reserva ao Gabinete do Imperador.

Poderes Interventivos e Locais da Chancelaria

Por oposição aos poderes e competências que a Chancelaria exerce a nível federal, tem sido opção dos governantes dos Estados federais atribuir à Chancelaria algumas competências nas suas jurisdições. Estas competências podem ser de intervenção em caso de falência institucional, caso em que integram os poderes interventivos da Chancelaria, ou podem ser de gestão de certos processos ordinários, caso em que constituem os poderes locais da Chancelaria. Estes poderes podem ser desempenhados pessoalmente pelo Chanceler ou por Vice-Chanceleres por ele delegados.

Destarte, são poderes interventivos da Chancelaria:

  • Na Cidade Imperial, Livre e Hanseática de Hamburgo, dirimir casos de impasse na eleição de oficiais municipais (artigo 29 da Lei Orgânica de Hamburgo).
  • No Principado da Roménia, apontar transgressões de jurisdição ao Governo daquele Estado federal (artigo 18 do Código dos Romenos).

Por outro lado, são poderes locais da Chancelaria:

  • Na Cidade Imperial, Livre e Hanseática de Hamburgo, supervisionar os processos eleitorais e atualizar os cadernos de eleitores (artigo 27 da Lei Orgânica de Hamburgo);
  • No Principado da Roménia, supervisionar a operação do Governo daquele Estado federal (artigo 18 do Código dos Romenos).

Governo Federal

Na dependência da Chancelaria do Império está o Governo Federal, constituído pelos Ministros e Secretários de Estado. A Constituição refere muito vagamente estes oficiais do Império, não lhes atribuindo quaisquer funções. Contudo, por analogia com o que sucede noutras micronações e considerando os precedentes estabelecidos por outras Constituições do Império, é geralmente aceite que o Governo federal e os seus integrantes serão responsáveis por superintender diferentes áreas da administração pública, como a Economia, Cultura, Finanças ou Educação. O atual Chanceler, no plano de governo que levou a votação na Dieta Imperial, declarou expressamente a intenção de não nomear ministros nem secretários de Estado, pelo que, de momento, quaisquer funções do Governo Federal estão na jurisdição direta da Chancelaria Imperial.

Serviço Público Federal

O Serviço Público Federal é o agregado de todos os funcionários na dependência do Governo Federal e da Chancelaria. Estes funcionários ou servidores públicos garantem o suporte burocrático e institucional das funções de governo do Império. Entre eles contam-se, por exemplo, os reitores das Universidades Imperiais geridas pelo Governo federal, os editores dos periódicos oficiais, os assessores dos Ministros e Secretários de Estado e a maior parte dos burocratas com os quais os súbditos lidam diariamente.

O Decreto Imperial nº 94 de 16 de julho de 2008 estabelece diretrizes gerais para o governo alemão, bem como dá normas disciplinares que recaem sobre os servidores públicos do império, e deve ser observado no andamento da administração imperial.