ESTRASBURGO. Sua Majestade dissolveu, na noite desta segunda-feira, 28 de agosto, a Dieta Imperial de Estrasburgo, através do Decreto Imperial nº 177-17 do mesmo dia. Convocada no último dia 20 de junho, a pauta original do parlamento era composta pela apreciação dos Tratados assinados pelo Império com Schelland, Maurícia, Suíça e Escorvânia, dos quais o primeiro fora rejeitado.

Dentre os assuntos que não foram finalizados pelo corpo parlamentar, consta o contrato de desenvolvimento urbano a ser firmado com o Reino Unido de Portugal e Algarves, além da revisão da Lei do Nome e da Família e do próprio regimento interno da Dieta Imperial.

Assunto de particular importância para a diplomacia alemã e para a Secretaria Imperial de Relações Exteriores, a emenda constitucional que estabelece a possibilidade de instalação do Estado de Hostilidade, que havia recebido proposta substitutiva, deverá tomar corpo no formato de decreto, exarado pela Casa Imperial.

A Dieta havia sido composta pela Imperatriz, pelo rei da Suíça, pelos príncipes da Baviera, da Vestfália e da Romênia, pelo altgrave de Lemberg, pelo conde de Vyšehrad e pelo agora ex-chanceler do Reich, Konrad Otto.